Denunciado pelo MPSP, homem é condenado por tentativas de feminicídio em Mogi Guaçu

Réu disparou com arma de fogo contra sogra e cunhada

 

Na última quinta feira (3/5), o Tribunal do Júri de Mogi Guaçu condenou Rone de Freitas a uma pena de 23 anos e 4 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por duas tentativas de feminicídio qualificadas pelo recurso que dificultou a defesa das vítimas. Os crimes foram cometidos em 24 de abril de 2015, em Mogi Guaçu,  contra as então sogra e cunhada do réu.

Freitas, inconformado com a fuga da esposa que ele mantinha praticamente cativa, foi à residência da sogra e da cunhada querendo notícias do paradeiro da mulher. Como as vítimas não deram as informações, o réu pegou uma arma de fogo que estava em seu carro e efetuou quatro disparos contra as vítimas, que estavam do lado de fora da residência. Um dos tiros atingiu uma das mulheres no pescoço, enquanto outros três alvejaram a outra no abdômen e nas costas.

O réu foi preso em setembro de 2015 na cidade de Divinolândia, após investigação policial e interceptação telefônica judicialmente autorizada, com necessidade de perseguição e cerco policial. Freitas respondeu ao processo preso, assim permanecendo para julgamento do recurso interposto da condenação.

Atuou ao longo do processo e no julgamento o promotor de Justiça Alexandre De Palma Neto. O juiz de Direito Paulo Rogério Malvezzi presidiu a sessão do Tribunal do Júri.

Núcleo de Comunicação Social

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável