Denunciados pelo Gaeco, líderes do PCC na Baixada Santista são condenados

Justiça impôs penas que chegam a 15 anos de prisão

Lideranças da organização criminosa PCC foram condenadas no Guarujá no âmbito de ação penal proposta pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) após a Operação Atlanta, deflagrada em agosto de 2016 na Baixada Santista. Tarcisio Alves Correia de Miranda, que exercia a função de liderança máxima do PCC na região, foi condenado a mais de nove anos de prisão pelos crimes de integrar organização criminosa e lavagem de dinheiro. Já André Rodrigues Leonel, que tinha a função de manter contato com integrantes do PCC em outros Estados, foi condenado a mais de 15 anos de prisão pelos crimes de integrar organização criminosa, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Outras três pessoas também foram condenadas pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico.

A Operação Atlanta foi deflagrada após cinco meses de investigações do Gaeco, que culminaram com a apreensão de mais de 12 quilos de drogas e com a prisão de oito pessoas.

Na ocasião, também foi denunciado pelo Gaeco Erick Machado dos Santos, que exercia a liderança do PCC na Baixada Santista ao lado de Miranda. Porém, como Santos está foragido, o processo foi desmembrado em relação a ele.

Santos é apontado pela Polícia Civil do Ceará como sendo um dos participantes da execução de Gegê do Mangue e Paca, outras lideranças do PCC.

A sentença, que está sujeita a recurso, foi proferida nos autos de número 1008887-10.2016.8.26.0223.

Fonte: Núcleo de Comunicação Social

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável