Furto de carros perto da Cava do Bosque preocupa moradores de Ribeirão Preto: ‘sensação de impotência’

Ladrões aproveitam falta de movimento nas ruas para levar veículos a qualquer hora do dia, dizem vítimas. Polícia Militar vê tendência de alta nas ocorrências e garante ter aumentado patrulhamento.

 

Durante a manhã de uma quinta-feira a vendedora Manoela de Souza Lucera estacionou o carro na Rua Camilo de Matos para levar o filho ao treino na Cava do Bosque, em Ribeirão Preto (SP). Uma hora e meia depois, o veículo não estava mais ali.

“Fiquei desesperada, com uma sensação de impotência, de revolta, porque é uma coisa que eu demorei muito para conquistar”, lamenta.

Segundo moradores como ela, os furtos de carros na região do Centro Poliesportivo Elba de Pádua Lima, no Jardim Mosteiro, têm se tornado recorrentes em função da falta de movimento e de policiamento na região.

A Polícia Militar reconhece uma tendência de aumento nas ocorrências entre março e abril e garante ter ampliado o patrulhamento preventivo no bairro, mas orienta os motoristas a adotar alguns cuidados.

“A orientação para os condutores é estacionar o veículo preferencialmente em locais bem iluminados, manter as portas trancadas e vidros fechados, utilizar-se de alarmes ou travas, bem como não deixar à vista sobre os bancos qualquer objeto que possa chamar a atenção dos infratores”, informou em nota.

‘Um horror’

Os criminosos aproveitam a falta de movimento nas ruas do entorno e o tempo de permanência dos veículos para agir a qualquer hora do dia, afirmam as vítimas.

“Eles roubam de manhã, na hora do almoço e quando é dia de evento isso aqui fica um horror”, afirma a guia de turismo Romilde Pomine que trabalha perto do recinto de eventos.

Para ela, o problema está no número insuficiente de policiais militares na região. “Eles não podem estar em 500 lugares ao mesmo tempo, a gente sabe.”

Além da sensação de insegurança, os furtos levam a uma mudança de hábito por parte dos moradores da região e frequentadores da Cava do Bosque.

”A gente deixa o carro aqui em frente mas fica sempre olhando pela janela. É complicado, porque você não trabalha sossegado”, afirma Romilde.

Depois de tantos relatos sobre furtos e roubos no Jardim Mosteiro, a consultora de vendas Juliana Cecília Gabioli passou a ser mais cuidadosa ao estacionar o carro. Antes de entrar no poliesportivo, ela procura locais mais movimentados e nunca deixa objetos de valor no interior do veículo.

Mesmo assim, a preocupação prevalece. “Precisava de uma rotina de policiamento”, diz.

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável