Gasolina fica mais cara em São José e Taubaté após paralisação dos caminhoneiros

O preço do litro da gasolina ficou mais caro nos postos de São José dos Campos e Taubaté depois de dez dias de desabastecimento por causa da greve dos caminhoneiros. Em um posto de Taubaté, o litro da gasolina foi encontrado pelo G1 mais caro R$ 0,51 nesta segunda-feira (4) , no comparativo com antes do protesto. Em São José dos Campos, menor preço encontrado é de R$ 4,19 em um estabelecimento onde antes não chegava a R$ 4 o litro.

A corrida aos postos elevou o valor da gasolina. Durante mais de uma semana de desabastecimento, postos na região chegaram a cobrar mais de R$ 5 pelo litro da gasolina. Em São José dos Campos, 10 postos foram autuados pelo Procon por causa de preço considerado abusivo.

Segundo a pesquisa feita pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), no dia 25 de maio, após cinco dias de paralisação, o litro da gasolina era encontrado a R$ 4,60 em São José dos Campos, maior preço aplicado segundo o levantamento. O menor era de R$ 3,99. Em Taubaté, o posto mais caro cobrava R$ 4,31 pelo litro do combustível e o com o menor preço R$ 3,98.

G1 consultou a mesma lista de postos visitada pela agência e comparou os preços antes e depois do desabastecimento – a diferença em um posto chegou a R$ 0,51 em Taubaté – em um posto às margens da Dutra, no Jardim Paulista, o valor saltou de R$ 3,98 para R$ 4,49. Em outro posto, na avenida Independência, saltou de R$ 3,99 para R$ 4,19 e; em outro posto às margens da Dutra, na região central, o preço passou de R$ 4,09 para R$ 4,29.

Em São José dos Campos, a diferença de preço chegou a R$ 0,25 – o preço passou de R$ 3,99 para R$ 4,19 em um posto na Vila Industrial. Na região de Santana, a gasolina passou de R$ 4,02 para R$ 4,27. Na contramão, um posto da Vista Verde diminuiu o preço da gasolina, de R$ 4,60 para R$ 4,30 nesta segunda-feira (4). O órgão pesquisou apenas três postos na cidade.

Segundo o Sincopetro, houve um reajuste na refinaria de R$ 0,05 no preço da gasolina, mas nada justifica a aplicação de preços abusivos.

“Nós tivemos um aumento, mas nada que sustentasse elevações como essas. Nós repudiamos a aplicação de preços abusivos, mas não temos como frear os estabelecimentos que praticam. O que orientamos é que as pessoas pesquisem e que façam denúncias no Procon”, informou Marco Antonio Mello Mattos, presidente regional do Sincopetro.

Durante a pesquisa, parte dos postos ainda não tinham tido o abastecimento de etanol normalizado. Com a demanda maior de gasolina dos últimos dias, os pedidos foram concentrados npo combustível. A previsão é de que seja normalizado até quarta-feira (6).

Diesel

O desconto no diesel nas refinarias foi anunciado pelo governo como medida para desmobilizar a greve. O presidente Michel Temer anunciou queda de R$ 0,46 no litro do combustível.

Apesar disso, durante a pesquisa feita pelo G1, o desconto ainda não chegou às bombas. Nos postos de São José dos Campos, o valor mais baixo encontrado foi de R$ 3,47, quando antes custava R$ 3,64. O maior preço é de R$ 3,69 o litro, mesmo valor aplicado antes da greve.

De acordo com o Sincopetro, as bombas na região ainda não refletem a medida porque ainda estão trabalhando com o estoque comprado antes do anúncio, quando os valores eram mais altos.

“Esperamos que a troca de estoques comece até esta terça-feira (5) para podermos repassar a medida anunciada pelo governo”, afirmou Mattos. O governo anunciou que o posto que não repassar o desconto está sujeito a multa.

Fonte: G1

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável