Grupo inicia trabalho para definir destino da dragagem do Porto de Santos, SP

Representantes do Governo Federal e empresários do Porto de Santos, no litoral de São Paulo, iniciaram as discussões na sexta-feira (24) para transferir a responsabilidade do poder público à iniciativa privada o serviço de retirada de sedimentos do canal de navegação. A proposta será analisada durante 90 dias.

A primeira reunião do Grupo de Trabalho composto pelo Ministério dos Transportes, Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) e empresas do porto aconteceu na sede autoridade portuária, em Santos. O objetivo é compreender a proposta e aprimorá-la, de modo que seja benéfica ao setor.

“Hoje está em vigor a Lei 12.815 (Lei dos Portos), em que a dragagem é de responsabilidade do Ministério. Agora instalamos o grupo para avaliar a possibilidade de passar esse serviço à iniciativa privada”, disse o assessor especial do ministério, Luiz Fernando Garcia.

O representante afirmou que o governo avalia como “positiva” a discussão do modelo de dragagem. O grupo também é composto por integrantes da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e do Ministério do Planejamento, que agora vão se reunir para destrinchar a proposta.

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável