Senado não vota orçamento, e EUA enfrentam nova paralisação administrativa

Com as contas congeladas na madrugada desta sexta (9), após manobra de um senador, país está sob ‘apagão’ administrativo. Mas Senado ainda pode votar orçamento.

 

Os Estados Unidos enfrentam nesta sexta-feira (9) uma nova paralisação administrativa em menos de um mês, após um bloqueio feito pelo senador republicano Rand Paul durante a votação, no Congresso, de um acordo do orçamento para os próximos dois anos. A manobra congela as contas do governo e provoca um “apagão” administrativo.

A segunda paralisação do governo teve início à meia-noite, no horário local (3h de Brasília), quando expirou o projeto de curto prazo aprovado em 22 de janeiro e que deu fim ao primeiro “shutdown” enfrentado pelo presidente Donald Trump.

Durante o congelamento das contas em outubro de 2013, quase 800 mil funcionários públicos foram orientados a permanecer em casa, e este ano a medida poderia afetar até 850 mil pessoas.

Na tarde de quarta (7), o líder republicano no Senado, Mitch McConnell (Kentucky), e o líder democrata, Chuck Schumer (Nova York), divulgaram um acordo que estende o financiamento ao governo por mais dois anos e amplia os gastos do governo em quase US$ 300 bilhões nesse período. O orçamento militar cresceria US$ 165 bilhões nesses dois anos, enquanto a receita de outros programas domésticos teria expansão de US$ 131 bilhões.

No entanto, a proposta sofreu forte oposição do senador republicano Rand Paul (Kentucky). Ele se posicionou de forma contrária à medida e fez um discurso de mais de duas horas no plenário do Senado, protestando contra o acordo alegando que o déficit dos EUA aumentaria em centenas de bilhões de dólares.

Paul disse saber que seu protesto contra o projeto irá falhar no Senado, mas ressaltou ser importante frisar que o acordo pode aumentar o déficit federal em até US$ 1 trilhão.

O bloqueio é baseado em aspectos técnicos e não em uma maioria legislativa. Por isso, a paralisação deve durar pouco, segundo a imprensa norte-americana. Espera-se que as duas câmaras legislativas votem o orçamento dos EUA ainda nesta sexta.

Em janeiro, o governo dos EUA enfrentou uma paralisação de três dias por falta de fundos porque republicanos e democratas não aprovaram o orçamento.

Os republicanos, que dominam o Senado e a Câmara, querem um orçamento para 2018 que aumente o gasto militar, uma promessa de campanha de Trump, que considera que as forças armadas têm equipamentos insuficientes após mais de 16 anos de guerra ininterrupta.

Mas, para um novo acordo temporário ou permanente, a oposição democrata exige em troca de seu voto uma solução para os “dreamers”, jovens que entraram no país ilegalmente quando eram crianças.

Eles correram risco de deportação após Trump revogar, em setembro do ano passado, o programa Daca da era Obama, que lhes garantia residência temporária. Na semana passada, a Justiça suspendeu a decisão de revogar o programa, porém o futuro desses jovens segue indefinido.

Um projeto de lei de financiamento provisório foi aprovado no dia 22 de janeiro, colocando fim à paralisação, depois que democratas e republicanos concordaram em discutir uma nova lei de imigração até o dia em que expira o orçamento provisório, que é 8 de fevereiro.

Fonte: G1

Sobre André Luiz Badaró

Diretor Executivo e Jornalista Responsável